Please select your home edition
Edition
Wildwind 2016 728x90

Manter o padrão de qualidade, desafio da Ilhabela Sailing Week

by Rolex Ilhabela Sailing Week on 15 Jul 2013
RISW13cb 10906 - 2013 Rolex Ilhabela Sailing Week ROLEX/Carlo Borlnghi
A credibilidade adquirida pelo maior evento da vela oceânica da América Latina transformou as regatas disputadas anualmente no litoral norte em Rolex Ilhabela Sailing Week e a responsabilidade dos organizadores ficou ainda maior. A evolução exige esforço redobrado para que o evento atinja a expectativa dos participantes. Neste ano, 134 barcos inscritos trouxeram mais de mil velejadores ao Yacht Club de Ilhabela. A atual preocupação está nitidamente voltada para a qualidade.

'Tecnicamente já atingimos um padrão internacional. Agora o maior desafio é de mantermos esse padrão para continuarmos atraindo as tripulações dos outros países e também de outros estados brasileiros', desejou o diretor de Vela do Yacht Club de Ilhabela, Carlos Eduardo Souza e Silva, o Kalu, comandante do tradicional veleiro Orson. Além dos sempre assíduos paulistas, Ilhabela atraiu velejadores de Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro, Brasília, Minas Gerais e Bahia. De fora do País vieram britânicos, porto-riquenhos, norte-americanos, argentinos, uruguaios, austríacos e portugueses.

A 40ª Edição da Rolex Ilhabela Sailing Week ganhou um brilho especial com a inclusão da classe Star, pela primeira vez convidada. Medalhistas olímpicos e mundiais como Robert Scheidt, Bruno Prada, Lars Grael e Reinaldo Conrad, transformaram as regatas de Star em um desfile de campeões. 'A intenção em trazer a classe para Ilhabela é de apoiar a campanha para que a Star volte ao calendário olímpico nos Jogos do Rio. Precisamos incentivar nossos velejadores pensando nos Jogos Pan-Americanos e nas Olimpíadas', alertou o comodoro do Yacht Club de Ilhabela, Marco Fanucchi.

A gestão de Fanucchi na comodoria encerra-se antes da próxima Rolex Ilhabela Sailing Week. Não é motivo para que o otimista dirigente deixe de acreditar em vida longa para o evento. 'Eu deixo o cargo, mas o espírito de sempre permanece. Não tenho dúvidas de que a competição um dia será centenária', previu Fanucchi , analisando o que viveu durante a semana no clube. 'O balanço é mais do que positivo. Estou muito feliz. Vi as pessoas velejando e se divertindo. Vamos nos reunir para uma avaliação precisa e a partir de agosto já pensamos em 2014.


A evolução da classe C30 - Estreante na Rolex Ilhabela Sailing Week em 2012, com seis barcos inscritos, a classe C30 apresentou-se neste ano como a mais promissora entre os monotipos de oceano. A flotilha registrou um aumento de 50%, elevando para nove o número de embarcações na 40ª edição. A performance e a praticidade que o veleiro oferece aos tripulantes são os motivos que têm levado alguns velejadores a migrar para a classe.

'É um 30 pés que anda como se fosse um 40. O projetista, Horácio Carabelli, acertou em cheio. Outra vantagem, é poder retirar o barco da água em qualquer iate clube, o que reduz muito o custo de manutenção' destacou o velejador olímpico André Fonseca, o Bochecha, responsável técnico pela classe e tático do C30 Loyal, bicampeão em Ilhabela.

Em breve, Bochecha deve assumir também o controle da produção dos veleiros, atualmente laminados no estaleiro de Guilherme Cará, em São José dos Campos. 'Ainda estamos analisando a situação. Por enquanto estou ajudando na entrega de três ou quatro barcos, mas gosto muito do projeto, principalmente porque incentiva a produção nacional', afirmou o velejador.

Classes que fizeram campeões em Ilhabela e que também projetaram uma evolução na vela oceânica, acabaram não se consolidando. 'O ILC 30 andava bem, mas como os barcos não tinham a mesma medição, atingiam velocidades diferentes. O S40, apesar de ser 'one-design', tem a dificuldade de importação e é difícil de se armazenar', relatou Bochecha, ratificando que o custo do C30 pode ser considerado 'mais acessível' em relação aos barcos maiores. O mastro é um dos únicos componentes que precisa ser importado.

Como a própria classe está zelando pela produção dos novos barcos, Bochecha espera que nos próximos meses sejam encomendados mais alguns modelos C30. Cada veleiro consome cerca de quatro meses para ser fabricado. A expectativa do responsável técnico é de que na Rolex Ilhabela Sailing Week de 2014, a classe receba entre 12 e 14 inscrições. As velas, que hoje permitem variações, também passarão a ser unificadas.

O presidente da classe, Marcelo Massa, comandante do Loyal, acredita que a participação efetiva de Bochecha na coordenação, favorecerá o desenvolvimento. 'Se nós conseguirmos quatro ou cinco novos barcos a cada ano, será ótimo. Muita gente da HPE está migrando para o C30. Tenho três tripulantes que fizeram essa opção. A HPE, com 10 anos, consegue levar 25 veleiros para a raia, o que é muito bom. Logo também alcançaremos essa condição. A classe já está consolidada', comemorou Massa, bicampeão da Rolex Ilhabela Sailing Week.


'Ilhabela não é apenas a capital nacional da vela, mas também a capital do C30'. A frase de Massa resume bem o projeto que tem como próximo objetivo a realização do Campeonato Brasileiro de 2014 no Litoral Norte. O Loyal e o Barracuda, destaques da Rolex Ilhabela Sailing Week, têm sede em Ilhabela. O segundo é comandado pelo secretário-geral da classe, Humberto Diniz. O velejador estima que até o final de 2014, 20 monotipos estarão competindo juntos. 'Só aqui na Ilha já temos seis barcos e nos próximos meses virão mais dois. O custo atual é de cerca de 350 mil reais, um terço do valor de outros barcos de oceano, e deve baixar ainda mais. A manutenção pode ser feita com um quinto do que se gastaria com um veleiro maior e bastam seis tripulantes para velejar'.

Na noite do sábado, as tripulações vencedores das sete classes receberam seus troféus na sede da Yacht Club de Ilhabela. Esta edição fez uma homenagem ao veleiro Saga, primeiro e único barco brasileiro a vencer a Fastnet Race, considerada a mais clássica das regatas oceânicas, em 1973.

Linha do tempo Rolex Ilhabela Sailing Week:

1956 - Fundação 'oficial' do Yacht Club de Ilhabela, ainda sem sede

1969 - Velejadores da represa de Guarapiranga participam de uma 'Semana da Vela', com apoio da prefeitura e do Grêmio de Vela Ilhabela, entre 12 e 20 de julho

Inauguração da primeira sede do Yacht Club de Ilhabela

1970 - Apesar do sucesso da primeira Semana da Vela, o evento não foi repetido nos anos posteriores

No final de 1972, chegam à represa de Guarapiranga os primeiros Optimist do Brasil

1973 - Pais paulistanos trazem seus filhos para treinar em Ilhabela para o Campeonato Sul-americano de Optimist, que aconteceria em Buenos Aires, na Argentina

1974 - Primeira edição 'oficial' do evento, disputada pelos pais que no ano anterior apenas viram seus filhos velejar

- As classes são Pingüim e Snipe, alguns Hobie Cat também participam

- Começam as chamadas Regatas Julinas

1981 - Começam a participar também os veleiros de oceano, em um único fim de semana

- O Ponta Azeda, de Eduardo Diedericksen, é o campeão entre os 11 inscritos, ainda sem classes

1982 - YCI organiza as regatas de Oceano e Fevesp e Grêmio de Vela de Ilhabela, as regatas de monotipos

- Pela primeira vez, a Semana passa a ser disputada em dois fins de semana e tem o apoio de uma empresa, o estaleiro Fast Yachts

1983 - Os veleiros são divididos em classes, ainda não-oficiais: regata e cruzeiro

- Primeiro título de Eduardo Souza Ramos, com o Tiki

- As regatas de monotipos e oceanos passam a ser disputadas em datas diferentes

1984 - Com 26 veleiros, acontece a primeira edição com mais de 20 barcos

- Introdução dos certificados oficiais de medição e das categorias IOR e RHC

- Segundo título de Eduardo Souza Ramos, novamente com o Tiki

- No dia 16 de julho, Ilhabela viu o maior vento já registrado durante a competição: 60 nós. Muitos barcos não conseguiram retornar para o clube e se abrigaram atrás da ilha

1985 - Sucesso da Semana se espalha, número de participantes chega a 48 e a regata ganha patrocinadores, entre eles uma revista especializada

- Panda, de Jonas Penteado, vence a Semana de Vela

- Saci, de Torben, fica em terceiro lugar na IOR e ganha o Troféu especial North Sails, para barcos de 23 pés

1987 - Número de inscritos volta a aumentar radicalmente, com 74 barcos, 32 a mais do que no ano anterior


1988 - Novo recorde de inscritos: 90 barcos

- O ano foi marcado pela inovação: foram montadas as primeiras tendas de exposição dentro do YCI

- Foi disputada a Ilhabela Match Race Cup, competição de barco contra barco que ficaria popular no Brasil mais de 15 anos depois

- Os juízes tomavam o tempo dos barcos em cada boia e passavam via rádio para a secretaria do clube, que fazia os cálculos de tempo corrigido e anunciava os líderes via alto-falantes

- O evento passa a contar com assessoria de imprensa profissional

1989 - No dia 8 de julho, a Fevesp fez a entrega do título de 'Capital da Vela' para a cidade de Ilhabela

- Alto-falantes anunciavam o nome de cada barco que cruzava a linha de chegada da regata de percurso, que ficava no canal de São Sebastião, em frente à vila

1990 - Introdução da canoa de cerveja para recepcionar os velejadores, ideia hoje comum em clubes de todo o Brasil

- Devido a um problema na implantação de novos certificados de medição, a classe

- IOR foi substituída pela categoria Livre

1991 - Introdução da classe internacional IMS, precursora da ORC internacional, que se tornaria a classe principal anos mais tarde

- Terceiro título de Eduardo Souza Ramos na classe IOR

1993 - Introdução da classe nacional de medição RGS (Regra Geral Simplificada), que continua até hoje no programaA Semana de Vela rompe pela primeira vez a marca de 100 barcos inscritos

1995 - Lars Grael vence no comando do H3+

1996 - Torben Grael é campeão da principal categoria da regata, com o Magia III/Polibrasil, um ILC 30 que se tornaria lendário nas raias brasileiras

1997 - Bicampeonato do Magia III/Polibrasil de Torben

1999 - O baiano Kan Chuh, em sua primeira participação em Ilhabela, leva o título na IMS com o V-Max e Horácio Carabelli no comando

2000 - Primeira aparição da classe ORC, que reunia veleiros menos esportivos que os da IMS

2001 - Novo título dos irmãos Grael, com o barco Sorsa Telemar. Ocampeão olímpico Eduardo Penido e o campeão mundial da classe Star, Alan Adler estavam na tripulação

2002 - Na IMS, agora principal categoria, Eduardo Souza Ramos volta a vencer, a bordo do Pajero e inaugura uma era em que ele começa a trazer alguns dos melhores veleiros de regata ao Brasil

- Flash Gordon, de 49 pés, estabelece recorde de 7h13min46s para a Regata Alcatrazes

2003 - Quinto título de Eduardo Souza Ramos

- Na ORC, o argentino Toríbio Achaval é o primeiro estrangeiro a vencer uma categoria na Rolex Ilhabela Sailing Week

2004 - Eduardo Souza Ramos chega à sexta vitória, com o Phoenix/Pajero

- Classe HPE começa a fazer parte do programa, Xereta é o primeiro campeão

2005 - Guga Zarif quebra série de vitórias do Pajero, no comando do Áries IV, barco que havia sido de Souza Ramos no ano anterior

- Volvo 70 Brasil 1 faz sua primeira regata em Ilhabela e, sem estar oficialmente inscrito, estabelece recorde de 6h00min18s para a Regata Alcatrazes

- Argentino Fortuna III, de 60 pés, passa a ser o detentor oficial do recorde, com 6h53min27s

2006 - Uruguaio Memo Memulini vence na IMS é o primeiro estrangeiro a ser campeão da principal categoria em Ilhabela

2007 - Rolex se associa à tradicional semana como title sponsor e Rolex Ilhabela Sailing Week passa a fazer parte do mais exclusivo circuito de regatas do mundo

- Nova vitória de um estrangeiro na classe principal

- O argentino Personal é campeão na IMS

2008 - De barco novo, Eduardo Souza Ramos chega ao sétimo título em Ilhabela

- Em entrevista ao final do evento, Eduardo Souza Ramos anuncia seu desejo de correr num monotipo de oceano de 40 pés

2009 - Recorde histórico de participação, com 205 barcos inscritos. Depois desse ano, o limite de inscrições foi estabelecido em 150 veleiros

- Estreia da classe S40 e o veleiro argentino Cusi já quebra o recorde da regata Alcatrazes: 6h12m29s

- Classe IMS passa a ser chamada de ORC internacional

- Oficialmente, foram 205 inscritos

2010 - Oitavo título de Eduardo Souza Ramos

- Na ORC internacional, Ernesto Breda consegue seu primeiro título, depois de mais de 30 anos de participação em Ilhabela

2011 - Novo título de Ernesto Breda na ORC internacional

- Pisco Sour, na S40, é o primeiro chileno campeão em Ilhabela

- Na RGS, uma tripulação predominantemente feminina leva o título com o Jazz

2012 - Introdução da classe C30

- Nono e último título de Eduardo Souza Ramos, o primeiro com um S40

- Terceira vitória consecutiva de Ernesto Breda

2013 - Medalhistas olímpicos e mundiais elevam o nível técnica da competição com a inclusão da classe Star, vencida por Robert Scheidt e Bruno Prada

Principal evento náutico esportivo da América Latina, a Rolex Ilhabela Sailing Week teve patrocínio titular da Rolex e patrocínios da Mitsubishi Motors e Bradesco Private. O evento teve apoio da Marinha do Brasil, Prefeitura Municipal de Ilhabela, Confederação Brasileira de Vela (CBVela), ABVO e das Classes ORC, HPE, C30, S40 e RGS, entre outros. A organização, sede e realização foram do Yacht Club de Ilhabela Rolex Ilhabela Sailing Week

Ancasta Ker 33 660x82Barz Optics - Kids rangeBakewell-White Yacht Design

Related Articles

Zhik sailors win 17 sailing medals at 2016 Olympic Regatta
The 2016 Olympic games are over and what a Games they have been - Zhik sailors dominated Zhik sailors won almost 60% of the medals contested at Rio de Janeiro. It was a regatta which tested sailors and gear - with one day being the most severe conditions ever experienced at an Olympic regatta. For the Zhik team riders on the waters of Rio, four years and more of hard work and dedication have paid off for many.
Posted on 29 Aug
Etchells Europeans - Kiwis on top after Day 1 after long day in Cowes
For the first day of the 2016 Etchells Open Europeans, PRO Phil Lawrence, prophesied that it might be a long day The top Etchells team today was Feng Shui, from the Royal Akarana Yacht Club, Auckland, NZ. Helmed by Andrew Wills and owned by Anatole Masfen, Matthew Kelway completes the line up. The team has won several New Zealand National Titles and Wills was on Jud Smith's winning team for the 2006 Etchells Worlds.
Posted on 29 Aug
Impressive line-up of 121 yachts preparing to grace the Rolex Swan Cup
The fleet will be divided into six classes and contest five days of racing in most challenging sailing environments. Memorable because 2016 marks the 50th anniversary of the launch of the very first Swan yacht; an opportune moment to celebrate both the heritage and the continued evolution of one of the leading - and most distinctive - marques in the sailing world.
Posted on 29 Aug
Volvo Ocean Race - Enright and Towill ready to go again in 2017/18
Team Alvimedica skipper Charlie Enright and his long-time buddy Mark Towill are eager to put their experience to use. Team Alvimedica were the youngest team in the race last edition, and now skipper Charlie Enright and his long-time buddy Mark Towill are eager to put that experience to use. Volvo Ocean race's Jonno Turner caught up with Mark and Charlie to chat about everything from the transition back into 'real life', their reflections on the 2014-15 campaign - and the future.
Posted on 29 Aug
The door’s been flung open – again
Now whether it was the Champagne or something far more ethereal, there is the chance that sailing gets sexier for Tokyo Now whether it was the Champagne or something far more ethereal, there is the chance that sailing may get sexier for Tokyo 2020. Yes, the proverbial door has been cast ajar before, often to much fanfare, and not that much has been achieved.
Posted on 28 Aug
Michael Illbruck crowned 2016 Melges 20 World Champion
Although not a simple task, Freides aimed to keep Illbruck behind him, or at minimum out of top nine ranking. Hosted by Marina di Scarlino/Club Nautico Scarlino, the World Championship was the most successful to date featuring four days of incredible sportboat racing.
Posted on 28 Aug
Berliner Yacht Club wins the Sailing Champions League in St Petersburg
Leaders after two days of open water racing were Norddeutscher Regatta Verein, twice winners of National Sailing League. For the final day of competition, the race course moved into the historic centre of St Petersburg with the strong current of the River Neva setting an additional challenge for the 23 international club teams representing 12 nations.
Posted on 28 Aug
Sailing Champions League - Six bullets for Berlin
The breeze got stronger throughout the afternoon for the second day of the Sailing Champions League in St. Petersburg. 2016 Sailing Champions League - The breeze got stronger throughout the afternoon for the second day of the Sailing Champions League in St. Petersburg (Act 1, 26. – 28. August).
Posted on 28 Aug
Freides defends leadership at Melges 20 World Championship
The one and only race that was able to take place at the 2016 Melges 20 World Championship was a difficult one at best 2016 Melges 20 World Championship - The one and only race that was able to take place at the 2016 Melges 20 World Championship hosted by Marina di Scarlino/Club Nautico Scarlino was a difficult one at best, however managed to present some nice new faces at the front of the fleet.
Posted on 28 Aug
Clipper Round the World Yacht Race - Crew catch up - Meet Dhruv Boruah
After crew members have completed their global ocean adventure, some go back to their previous lives and occupations After crew members have completed their global ocean adventure, some go back to their previous lives and occupations, some decide on a future in the marine industry, some take time out to assess their next move in life and others seek their next challenge.
Posted on 27 Aug